Opinião: Brasil é o país mais difícil do mundo para ser treinador de futebol?

Ser técnico de futebol no Brasil não é nada fácil. A pressão por vitórias e títulos são enormes, independente da qualidade que a equipe tenha. O último profissional vítima dessa velha mania do esporte nacional foi Diego Aguirre, que no último domingo foi demitido do São Paulo. O uruguaio foi contratado em março e deixa o time paulista em quinto lugar, com 58 pontos. Com Aguirre, o tricolor paulista foi líder e esteve no G4 por mais da metade do campeonato.

Estilo de trabalho, queda de rendimento, problemas no vestiário e com jogadores importantes, método… Argumentos utilizados para entender o motivo da 28ª demissão na atual edição do Brasileirão. Números que impressionam e chamam atenção de quem já passou pelo futebol nacional e hoje trabalha no futebol europeu.

Michael Beale, profissional do Rangers, da Escócia, trabalhou no São Paulo no período que Rogério Ceni e fez uma interessante observação: cada dia um treinador perde o emprego”.

eu acredito que o Brasil é o país mais difícil do mundo para ser um treinador de futebol. É triste ver Aguirre demitido da SPFC. Ele é uma vítima de seu próprio sucesso”, disse o profissional britânico.

O treinador uruguaio não foi o único vitimado na última rodada, já que o América-MG também fez número para essa estatística. Diego Aguirre e Adilson Batista entraram numa lista que começou a ser escrita logo na segunda rodada da competição. Nona, décima oitava e vigésima nona, são as rodadas com o maior número de saída de técnicos, três. Dos 20 clubes da elite do futebol brasileiro, somente Cruzeiro, Grêmio e Inter não mudaram de treinador.

Não sei se o Brasil é o local mais difícil para ser treinador, mas é inegável como um trabalho é avaliado de maneira prematura e baseada apenas em resultados. Eles são importantes, mas onde ficam as responsabilidades de quem monta um grupo de jogadores insuficiente ou sem as melhores condições para se chegar no principal objetivo, os títulos? Tudo é culpa do “professor”?

Eu sei, conheço àquela frase “é mais fácil trocar um, do que 30”, mas também é fácil entender os contextos de cada clube e suas possibilidades. Quem sabe um dia, sequência seja uma palavra mais usada do que demissão no nosso futebol, seria melhor para todos, mas principalmente para o técnicos.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s